face

sábado, 8 de fevereiro de 2014


 


A semana foi movimentada para o cineasta Woody Allen. Além de ser citado em premiações, como já está acostumado, o artista teve que encarar novamente um assunto delicado e polêmico: abuso sexual. Desta vez seu filho Ronan Farrow publicou no Twitter uma menção ao suposto abuso sofrido por sua irmã Dylan Farrow : "perdi o o tributo a Woody Allen_onde é que mencionaram que uma mulher confirmou que ele a molestou aos sete anos?".
  Para complicar ainda mais a reputação do cineasta, sua filha publicou uma carta no jornal The New York Times em que detalha o abuso cometido pelo seu então padrasto na época. 
  Allen também usou o mesmo jornal para se defender e dizer que acreditar um dia poder se reconciliar com a filha, que ele considera vítima de intrigas por parte de Mia Farrow, mãe da jovem e ex-mulher do diretor. 
  Cinco dias antes da publicação do tweet de Ronan, o documentarista Robert B. Weide escreveu sobre o assunto no Daily Beast.   




http://kristof.blogs.nytimes.com/2014/02/01/an-open-letter-from-dylan-farrow/?_php=true&_type=blogs&_r=0



http://revistapittacos.org/2014/02/02/qual-seu-filme-favorito-de-woody-allen-carta-aberta-de-dylan-farrow/

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2014/02/1409447-woody-allen-nega-acusacao-de-abuso-infantil-e-ataca-mia-farrow.shtml

sábado, 15 de junho de 2013

Ministério Público Federal Cobra Presidenta sobre caso Rosemary Noronha

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO
ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO
10/06/13 – MPF/SP pede à Presidenta Dilma informações sobre sindicância deRosemary Noronha
Pedido inicial havia sido feito à Chefia de Gabinete da Presidência, mas foi negado pela Casa Civil; MPF também tenta obter acesso aos documentos por meio da CGU
Diante da negativa da Casa Civil da Presidência da República ao pedido de informações sobre o processo administrativo da servidora Rosemary Novoa Noronha, o Ministério Público Federal em São Paulo enviou a requisição diretamente à Presidenta da República, Dilma Rousseff, por intermédio do Procurador-Geral da República. Rosemary foi chefe do Gabinete Regional da Presidência da República em São Paulo e já está sendo processada na esfera criminal pela prática dos crimes de tráfico de influência, falsidade ideológica, corrupção passiva e formação de quadrilha. A ex-servidora agora é alvo de um inquérito civil público para apurar suas responsabilidades também na esfera cível, pelos fatos investigados na Operação Porto Seguro – e o acesso ao processo administrativo de Rosemary pode contribuir com as investigações do MPF e ajudar a elucidar algumas questões.
Augusto Nunes escreve sobre Rosemary
Rosemary na Rede
Carvalho confirma ida ao Senado
E-mails denunciam Rosemary Noronha

No ofício à presidenta, datado de 22 de maio, o procurador da República José Roberto Pimenta Oliveira volta a requisitar a cópia integral do processo administrativo (sindicância e/ou processo disciplinar) instaurado para apurar os ilícitos funcionais atribuídos a Rosemary. Ele destaca que o primeiro pedido de informações, feito em 22 de maio, foi negado pela Subchefia de Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência da República sob o argumento de que a Chefia de Gabinete da Presidência da República não tem competência para prestar a informação, e que a requisição deve ser direcionada à Presidência da República pela Procuradoria-Geral da República.
“Independentemente do mérito da alegação da Subsecretaria para Assuntos Jurídicos da Casa Civil”, ressalta o procurador, “o importante é o acesso mais célere possível aos autos do processo”.  “Serve o presente para requisitar a Vossa Excelência, nos termos da Lei Complementar nº 75/1993, cópia integral do(s) processo(s) administrativo(s) instaurados para apuração de ilícitos funcionais (sindicâncias ou processos administrativos disciplinares) atribuídos à Sra. RosemaryNovoa de Noronha que estejam em curso na Administração Pública Federal”. José Roberto Pimenta Oliveira também solicita à Presidenta que, caso haja documentação sigilosa, “Vossa Excelência indique a referida documentação, e a abrangência do eventual sigilo decretado, à luz da Lei nº 12.527/2011 e da Lei nº 8.112/1990”.
CGU – O procurador da República José Roberto Pimenta Oliveira também encaminhou ofício ao chefe da Controladoria-Geral da União, Jorge Hage Sobrinho, por meio do qual requisita informações sobre “todos os processos administrativos em curso (sindicâncias e processo administrativos disciplinar), no âmbito da CGU, tendo como referência fatos vinculados à denominada 'Operação Porto Seguro', com a remessa integral da documentação existente (impressa ou eletrônica), instruindo a resposta com demonstrativo sintético das principais informações dos procedimentos, como identificação do objeto, número, servidores públicos investigados e situação atual”.
Assessoria de Comunicação
Procuradoria da República no Estado de S. Paulo
Mais informações à imprensa: Gabriela Rölke
11-3269-5068
ascom@prsp.mpf.gov.br